Escolha uma Página

saraiva-jur-topo-mobile         saraiva-aprova-topo

BATE-PAPO GRÁTIS AO VIVO

A IMPORTÂNCIA PARA OS DIREITOS DAS MULHERES

  • Entenda o que é o feminicídio;
  • Conheça a importância da Lei do Feminicídio (Lei n. 13.104/15) para os Direitos das Mulheres;
  • Compreenda a diferençaentre feminicídio e homicídio de mulheres;
  • Confira casos e suas tratativas nos Tribunais brasileiros.

A IMPORTÂNCIA PARA OS DIREITOS DAS MULHERES

  • Entenda o que é o feminicídio;
  • Conheça a importância da Lei do Feminicídio (Lei n. 13.104/15) para os Direitos das Mulheres;
  • Compreenda a diferençaentre feminicídio e homicídio de mulheres;
  • Confira casos e suas tratativas nos Tribunais brasileiros.
Sobre a Lei do Feminicídio

Advogada, ex-procuradora de justiça e autora da obra A Paixão no Banco dos Réus.

As mortes de mulheres por razão de gênero ocorrem no mundo todo e representam um grave problema social e jurídico. Ano após ano, milhares de mulheres morrem de forma violenta apenas pela condição de serem mulheres.

O Brasil tem a 5ª maior taxa de assassinatos de mulheres do mundo.

PARA QUEM ESSE BATE-PAPO É RECOMENDADO?

Graduandos de Direito que se interessam por Direito Penal;

Alunos dos cursos de graduação em Direito e profissionais que querem conhecer as alterações legislativas penais e casos mais recentes do ordenamento jurídico brasileiro;

Público geral que tenha interesse no assunto, com viés jurídico.

O QUE VOCÊ APRENDERÁ NESTE BATE-PAPO

  • O que é feminicídio;
  • Características da Lei do Feminicídio;
  • Qual a relação da Lei do Feminicídio com a Lei Maria da Penha;
  • O que muda com essa Lei;
  • A importância da Lei do Feminicídio (Lei n. 13.104/15) para os Direitos das Mulheres;
  • A diferença entre feminicídio e homicídio de mulheres;
  • Casos e suas tratativas nosTribunais brasileiros.

SOBRE A AUTORA

Luiza Nagib Eluf é advogada criminal, procuradora de Justiça de São Paulo, aposentada. Integrou o Ministério Público Estadual de São Paulo de 1983 até o final de 2012. Autora de “A paixão no Banco dos Réus” escreve também sobre cidadania e preconceito, crimes sexuais e assédio sexual, além de expor suas ideias nas colunas de opinião de jornais e revistas de âmbito nacional.